Por Bob Kellemen

Terceira Parte

Gosto de amigos que se sentem seguros o bastante para replicar. Alguém que diz com amor: “Bob, eu entendo o que você está dizendo, mas e se…?”. Quero dar voz a quatro possíveis formas de réplica ao meu chamado para que você coloque o sofrimento em palavras. Considere-as como perguntas e respostas sobre o quão honesto devemos ser na época das festas.

Réplica 1: “Mas não é verdade que cada um de nós lida com o pesar de forma diferente?

Com certeza. Cada um de nós lida com o sofrimento de forma diferente. Não há uma resposta típica para o sofrimento e não há um caminho universalmente correto em direção à cura para o Natal e outras festividades. A cura é uma jornada pessoal com Deus, e todos nós temos reviravoltas únicas nessa jornada.

O seu tempo será diferente do meu. A sua forma será diferente da de seus parentes. Não podemos nos forçar nem forçar outras pessoas a seguir uma agenda ou um plano que sirva para todos.

Dito isso, uma boa pesquisa e o envolvimento atencioso com as pessoas mostram de forma consistente que a negação é uma maneira inicial de resposta muito comum para o pesar. Inicialmente, ela pode até ser a graça de Deus, permitindo que nosso corpo e mente desacelerem o bastante para sobrevivermos ao espanto de nossa perda.

Réplica à réplica: A fé em Deus encara cada aspecto da vida com honestidade

Um bom estudo bíblico revela um padrão claro (não um mandamento universal): a fé encara cada aspecto da vida com honestidade. Isso é sinceridade: encarar a vida com fé em Deus, de forma corajosa e honesta. Em sua jornada de cura para o Natal, esteja consciente de que ser honesto consigo mesmo, sincero, é um indicativo em sua jornada pelo qual você deve passar.

Réplica 2: “Mas nem todos são falantes!”

É totalmente verdade que Deus fez cada um de nós de forma única. Cada um de nós foi feito de forma admirável e especial (Salmo 139.14). Nossa personalidade, o nosso passado, nossa educação, nossas escolhas e também nossas perdas são diferentes. Tudo é diferente para que sejamos únicos.

Ninguém, portanto, deveria pensar: “Preciso falar esse tanto” ou “Preciso falar como fulano fala”.

Réplica à réplica: Todos precisam de relacionamentos

Um bom estudo bíblico revela que Deus nos fez para nos relacionarmos com Ele, com os outros e nós mesmos. Precisamos de relacionamentos. Em certo sentido, você pode enquadrar a negação como uma recusa de relacionar-se honestamente consigo mesmo.

Note a passagem que investigamos anteriormente (Salmo 42.3-5). Davi inicia falando consigo mesmo! Por que você está assim tão triste, ó minha alma?

Sinceridade não significa que você deve despejar seus mais profundos e sombrios segredos para qualquer estranho. Significa que você buscará sabedoria e começará a falar consigo mesmo. Permita-se sentir o que você realmente sente. Em seguida, coloque em palavras os seus sentimentos. Isso é sinceridade.

Como Davi, muitas pessoas, embora não todas, acham que colocar suas palavras no papel pode ser muito útil. Podemos chamar isso de diário. Eu gosto de chamar isso de “salmodiar”. Escreva seu próprio salmo de sinceridade sobre sua dor nas festas.

Claro que, em sua singularidade, você talvez não seja um escritor. Então, que música transmite os sentimentos do seu coração? Ou que foto, que imagem ou arte transmite a dor de seu coração? Que cena de filme captura a sua dor?

Réplica 3: “Mas as pessoas não têm noção de como se relacionar comigo!”

Sim, diversas vezes isso é verdade. E é uma das razões pelas quais hesitamos em ser sinceros com os outros sobre a nossa dor durante o Natal. Muitas pessoas não sabem o que fazer depois do abraço. E existe o princípio bíblico de não atirar suas pérolas para os porcos. Algumas pessoas são tão rudes, sem empatia, que pode ser simplesmente sábio você não compartilhar muitas coisas, ou mesmo nada, com elas.

Réplica à réplica: Encontre pelo menos um amigo fiel

Um bom estudo bíblico revela que Deus designou o corpo de Cristo para consolo mútuo (2Coríntios 1.3-9). Ore que Deus dê a você pelo menos um amigo fiel que saiba o que fazer depois de abraçá-lo. A seu tempo, lentamente, abra-se com esse amigo sobre sua dor emocional. Algumas pessoas acham que um grupo de restauração ou apoio para pessoas que tiveram perdas parecidas pode ser um excelente lugar para começar sua jornada de sinceridade. 

Réplica 4: “Mas eu não quero ser um estraga-prazeres que arruína o Natal dos outros.”

Esse pode ser um pensamento muito altruísta. Também poderia ser uma desculpa, mas vamos assumir que a motivação esteja correta.

Réplica à réplica: Relacione-se com os outros conforme o exemplo de Cristo

Primeiro, a sua preocupação com os outros em meio à sua dor durante as festas é algo que vem de Deus. Isso é muito bom! Depois, já dissemos que a sinceridade tem mais a ver com falar consigo mesmo e com pelo menos com uma outra pessoa que seja piedosa e atenciosa. Sinceridade, portanto, não significa declarar a sua dor mais profunda perante todos os que estiverem à mesa durante uma refeição natalina. Em terceiro lugar, o resultado final é que sua sinceridade de agora trará esperança de cura para os futuros natais e todas as outras festividades. Lembre-se: Sem sofrimento não há cura. Conheça o sofrimento, conheça a cura. 

O resto da história

A cura para o Natal começa com uma honestidade sincera consigo mesmo, mas não para por aí. Mencionei que Deus nos fez para nos relacionarmos pessoalmente conosco, com outros e com Ele. A cura para as festas também requer honestidade com Deus – o que a Bíblia chama de lamento. Este será o assunto da quarta parte.

Pense nisso

Quais das réplicas passaram por sua cabeça? Como você pode aplicar a réplica à réplica?

Clique aqui para fazer o download de todo a reflexão (via Issuu)

 

Anúncios