Por Bob Kellemen

Oitava Parte

Aconselho com frequência pessoas que estão passando pelo sofrimento. Leio muito sobre o sofrimento. Os artigos que oferecem algumas dicas rápidas, os três passos ou segredos para sobreviver, raramente fornecem ajuda duradoura para as pessoas profundamente feridas. A cura para o Natal requer a verdadeira cura de Deus para nossas almas perturbadas. A recuperação verdadeira requer a verdade vinda do Autor da Vida. Nada é mais relevante que isso, pois somente o Criador e Senhor de nossa alma sabe o que cura a alma.

Isso é ainda mais verdadeiro quando falamos de cura para o Natal e as festividades. A Palavra de Deus mostra-nos como permanecer vivos mesmo quando a vida tenta nos esmagar até a morte. Através da Bíblia, Deus fala à nossa alma ferida com palavras de vida. À medida que o grande Médico da Alma, Cristo, cuida de nossas dores de parto, encorajando-nos a permanecer grávidos de esperança, Ele nos ensina a

  • Ansiar fervorosamente pelo céu e viver apaixonadamente para Deus e pelos outros enquanto ainda estamos na terra.

A esperança amorosa: uma esperança que ama ativamente

Paulo personificou a esperança que ama em Filipenses 1.23-25.

Estou pressionado dos dois lados: desejo partir e estar com Cristo, o que é muito melhor; contudo, é mais necessário, por causa de vocês, que eu permaneça no corpo. Convencido disso, sei que vou permanecer e continuar com todos vocês, para o seu progresso e alegria na fé.

Paulo não abafou seu desejo pelo céu nem minimizou seu chamado na terra. Paulo lamentou o “ainda não”. Ele estava faminto e sedento, ele ansiava e desejava o que estava prometido, mas ele ainda não possuía. Ao escrever, ele estava na prisão, separado de todos os que o amavam. Se alguém já teve uma desculpa para abandonar a esperança e abandonar o amor, esse alguém foi o Apóstolo Paulo.

No entanto, ele escolheu permanecer grávido de esperança, participar da esperança que ama. Ele disse: “Quero ir para casa. Este mundo está uma bagunça. Agonizo pelo céu, pelo Paraíso. Mas continuo a arrancar ervas daninhas aqui até o dia em que eu morrer! Meu sofrimento não é razão para ignorar o crescimento de vocês. Estou vivendo pelo seu contentamento e progresso espiritual”.

Meu problema com os “remédios” típicos para o sofrimento

Esse é o sofrimento e o gemido centrado no outro. E é por isso que eu tenho uma carga enorme de problemas com os remédios típicos para o sofrimento, especialmente o sofrimento relacionado às festividades. No desejo de expressar empatia, as pessoas que escrevem sobre o sofrimento parecem iniciar e finalizar com o que podemos chamar de “autocuidado”: “Cuide de si mesmo”, “Seja bondoso consigo mesmo”, “Seja paciente consigo mesmo”.  Existe certa sabedoria bíblica em tais advertências. Eu também procurei transmitir empatia ao longo de toda a nossa conversa. Mas existem duas razões profundas para você não terminar com o foco em si mesmo.

1. A Bíblia ensina-nos a colocar o foco nos outros.

Este já é motivo suficiente. Embora a Bíblia nunca minimize nossa dor, ela sempre maximiza a esperança que ama. Embora Cristo se identifique, sinta e experimente nosso sofrimento, perda e lamento, Ele sempre nos encoraja e capacita a usar o conforto recebido dEle para confortarmos outros (2Coríntios 1.3-6). Você espera a cura profunda para o Natal? Ofereça a outros a esperança da cura em Cristo.

2. A vida ensina-nos a colocar o foco nos outros.

Uma pesquisa após outra, e a conclusão é a mesma. A cura chega quando começamos a colocar o foco nos outros. A história ensina-nos a mesma lição. Em meu livro Além do Sofrimento, traço um legado incrível e inspirador dos heróis das igrejas afro-americanas. Apesar do sofrimento horrível e da dor agonizante, os homens e mulheres dessas igrejas não só suportaram o sofrimento da escravidão, mas superaram o sofrimento. Como? Esperando em Deus e amando uns aos outros – a esperança que ama. 

Florescendo no amor de Deus

De onde vem a esperança que ama? Vem do amor de Deus. Em Romanos 8.28-39, Paulo insistiu que mesmo em meio ao problema, dificuldade, perseguição e sofrimento, nada pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus. Paulo nos ensinou que em meio a todo o nosso sofrimento somos mais que vencedores por meio dEle, que nos amou.

“Mais que vencedores” vem do grego nikao, termo que deu origem à marca “Nike” – vitoriosos, vencedores, campeões olímpicos. Estarmos grávidos de esperança capacita-nos a desejar ardentemente o céu e a viver vitoriosamente na terra. A esperança amorosa, aquela esperança que ama, faz-nos passar de vítimas a vitoriosos em Cristo.

Na estrada da esperança

Você acaba de encontrar uma outra encruzilhada na estrada da esperança. Nessa encruzilhada, você pode virar para um dos lados e escolher a jornada de viver para si. Partindo por esta rota, sua dor nunca acaba; ela só fica enterrada debaixo de algumas diversões autocentradas.

Ou você pode escolher a rota de estar grávido de esperança. Você sentirá a dor – a profunda dor da perda, de estar fora do ninho, de viver fora do Éden, de desejar ardentemente o céu e ter que viver neste mundo caído. Você experimentará, porém, a profunda alegria que acompanha o viver apaixonadamente por Deus e pelos outros. O Espírito de Deus capacitará o seu espírito para que você possa ser mais que vencedor – agora!

O resto da história

Onde encontramos a para buscar o amor que espera? Nós a encontramos quando entretecemos a história eterna de Deus com a nossa história terrena de sofrimento. Junte-se a mim, na parte seguinte, para vermos a sabedoria de Deus desde antes do início dos tempos.

Pense nisso

Você crê que em Cristo você é mais que vencedor – capaz de oferecer a outros a esperança que ama mesmo em meio ao seu sofrimento pela perda?

Clique aqui para fazer o download de todo a reflexão (via Issuu)

 

Anúncios