Contudo foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o Senhor faça da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do Senhor prosperará em sua mão. (Isaías 53.10 NVI)

Nós amamos listas de Top 10. Elas estão em todo lugar da nossa mídia social, manchetes esportivas, revistas de celebridades e blogs. À medida em que você lê este devocional do Advento, eu quero que crie sua própria lista de Top 10. Escreva dez coisas que lhe dão prazer. Algumas das coisas que estariam na minha lista, relacionada especificamente à época do Natal, seriam a variedade de cookies disponíveis, a decoração da minha árvore, cozinhar refeições natalinas e reunir todos os nossos filhos para as festividades.

Guarde sua lista para mais tarde; há uma questão de reflexão sobre ela no final. Por agora, aqui está o que você precisa entender sobre prazer e Natal: tudo o que nós consideramos neste devocional do Advento está conectado ao prazer no coração de Deus. Isaías 53.10 diz: “Contudo foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer”. Eu gosto de usar outras traduções para este versículo, pois elas utilizam a palavra agradar: Todavia, ao SENHOR agradou o moê-lo, fazendo-o enfermar (ARC). Todavia, foi do agrado de Jeová esmagá-lo; deu-lhe enfermidade (TB).

Você precisa se acostumar com essa frase radical. Como poderia Deus, o Pai, encontrar prazer, agradar-se, ao esmagar e fazer o Seu filho sofrer? Se você é pai, pense no coração protetor que você tem pelos seus filhos. Você não quer que nada os atinja e você tenta protegê-los de qualquer problema ou dificuldade. Você não consegue imaginá-los sendo esmagados ou sofrendo, muito menos sendo você o causador pessoal dessa dor. Esse versículo radical foi feito para que você reflita.

O que poderia ser tão poderosamente motivador no coração do Pai, a ponto de fazê-lO esmagar o Seu próprio filho e encontrar prazer em seu sofrimento? A resposta nós encontramos em João 3.16: Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Deus olhou para a quebra de relacionamento entre o Criador e a criação, e o Seu coração entristecido não podia mais suportar isso. Motivado por um amor profundo e pessoal, a única solução foi esmagar o Seu próprio filho.

Tenha certeza de que você não vai interpretar o prazer de Deus de maneira incorreta. Ele não é um sádico ou masoquista, que gosta de dar ou receber dor física. Deus não experimentou prazer nos momentos específicos de sofrimento físico e relacional. O prazer de Deus estava enraizado no que resultou do sofrimento de Cristo: um relacionamento restaurado entre Deus e o homem.

Para muitos de vocês, João 3.16 é um versículo que está escrito na geladeira, na xícara de café ou em um quadro enfeitando a casa. Você sabe que Deus tanto amou o mundo; talvez você tenha aprendido este versículo na escola bíblica. Porém, talvez algum dia da próxima semana, ou mês, ou ano, você seja tentado a duvidar do amor de Deus. Em alguma circunstância, lugar ou relacionamento, você terá suas questões.

Talvez seja em um momento de sofrimento físico, onde você questionará porque Deus permitiu que você experimentasse determinada dor. Talvez seja em um significativo desapontamento relacional, e você questionará porque Deus permitiu que você tivesse esse relacionamento em primeiro lugar. Talvez em um momento de dificuldade financeira quando, mesmo você tendo procurado ser um bom administrador do seu dinheiro, você terá dúvidas do porquê Deus permitiu que você perdesse o seu emprego ou sua estabilidade financeira.

Talvez o que você precise fazer é ver as notícias locais ou ler as manchetes internacionais. Parece que o mal tem prosperado. A escravidão sexual e a pornografia na internet dominam o mundo. Crianças são sequestradas. Cidadãos desarmados são executados por governos tiranos. O câncer e outras doenças estão devastando o mundo. Fome, pobreza e falta de abrigo é uma realidade para milhões ao redor do globo.

Onde está Deus? Onde está o Seu amor? Como pode um Deus que tanto amou o mundo permitir que esta seja a nossa realidade? Para responder a essas questões, nós precisamos considerar duas palavras que aparecem em Isaías 53.10: Esmagar e Sofrer, e depois observar o que Paulo diz em Romanos 8.32: Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas?

Esmagá-lo” está relacionado com o sofrimento físico de Cristo. Todos os momentos da vida de Cristo foram marcados por sofrimento físico. A Cruz foi a culminação extremamente dolorosa de uma vida de sofrimento, mas não foi o único momento. A cada dia ele se sujeitou às duras realidades da vida em um mundo caído; a manjedoura marcou o início de seu esmagamento.

Cristo também passou por sofrimento emocional – isso é o que significa o “fazê-lo sofrer” de Isaías. Jesus foi desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de tristeza e familiarizado com o sofrimento (Isaías 53.3). Ele foi continuamente zombado, rejeitado e desprezado pelas pessoas, e Sua vida de sofrimento emocional atingiu o cume quando Ele chorou na Cruz, “Eloí, Eloí, lamá sabactâni?” (Marcos 15.34). Não houve um momento de maior sofrimento para Cristo do que quando o Pai virou as costas para o Filho.

Voltando agora para Romanos 8.32, aqui está a lógica que o apóstolo Paulo usou: se Deus submeteu Cristo ao sofrimento físico e emocional para a nossa salvação, não faria sentido Ele virar as costas para nós em nosso momento de necessidade. Em outras palavras, a garantia do nosso futuro (selado na Cruz) também nos garante tudo o que nós precisamos aqui e agora.

Nós também temos outra evidência dessa promessa: Seu divino poder nos deu todas as coisas de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude (2 Pedro 1.3) e O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus (Filipenses 4.19).

O seu Criador suprirá todas as suas necessidades; isso é uma promessa bíblica. Isso não significa, porém, que Deus irá assinar nossa lista de desejos. Eu e você temos um problema com a palavra necessidade. Nós transferimos todos os tipos de coisas que nós desejamos para a nossa lista de necessidades. Talvez não sejam desejos pecaminosos por eles mesmos, como alguns dos prazeres da minha lista Top 10, mas aqui está o perigo com nossa lista de necessidades: quando nós nomeamos como necessidades coisas que não são, realmente, definidas por Deus como necessidades, nós começamos a julgar a Sua bondade e amor baseados no que Ele nos dá ou não. Se ele me dá o que eu acho que eu preciso, eu O amo e louvo e falo aos outros sobre Ele. Porém, se Ele falha em me dar o que eu acho que preciso, eu questiono o Seu amor e bondade e tudo se torna amargo. Durante todo o tempo eu me preparo para um desastre porque eu nomeio erroneamente as coisas de que eu necessito.

Deus sabe o que nós realmente necessitamos, e Ele proverá. Isso significa que nós não precisamos temer o que nos espera no futuro, ou perder o sono nos perguntando “e se…”. Haverá momentos na vida em que Deus irá confundi-lo, mas leia isso que vou escrever agora: a paz no coração nunca será encontrada no entendimento. Sua capacidade de descansar está no prazer do Pai e na disposição de Seu Filho de ser esmagado. Não existe demonstração de amor de Deus por você mais direta e confortadora do que o presente de Seu Filho.

Nesta época do Advento, se o seu coração não está em paz, e se você não tem estabilidade e segurança em sua alma sobre o que você está enfrentando, talvez você não tenha entendido por completo as implicações do Natal. Sim, sua vida será confusa e sim, sua vida será difícil, mas Deus nunca voltará suas costas para você. Jesus Cristo enfrentou a última rejeição do Pai para que nós nunca precisássemos enfrentá-la. O cumprimento da profecia de Isaías 53.10 e a promessa de Romanos 8.32 nos garantem que Deus estará conosco em todos os momentos, aqui, agora e até a eternidade.

Questões Para Refletir:

1- Quais prazeres físicos e emocionais estão presentes na sua lista Top 10? Você corre o risco de transformar algum desses prazeres que Deus lhe deu em ídolos?

2- Onde você vê quebrantamento em sua vida e em seu mundo? Você já foi tentado a olhar para esse quebrantamento e questionar o amor de Deus?

3- Preencha as lacunas: “Se ao menos eu tivesse _____________, minha vida seria ____________.” O que você está definindo como necessidade? A Bíblia nomeia isso como uma necessidade?

4- Em que área o seu coração está lutando para encontrar paz com o plano de Deus para sua vida? Como a época do Advento pode servir de lembrete para ajudá-lo a descansar sua alma?

 

Devocional desenvolvido por Paul Tripp. Publicado sob autorização de Paul Tripp Ministries. Para o original, clique aqui. Traduzido por Karen Zambelli.

Anúncios