A Bíblia é um conjunto de direções que apontam o caminho para Deus – e, de certa forma, o caminho de volta ao Jardim do Éden, onde nossos primeiros pais andaram em comunhão com o Criador deles. A Escritura não trata simplesmente de sermos salvos ao seguir instruções. Não somos sábios o bastante para encontrar o caminho certo, nem poder para andar nele. É por isso que Tomé, discípulo de Jesus, admitiu que não conhecia o caminho, embora ele estivesse andando sempre perto do Mestre (João 14:5).

Muitos escritores da Bíblia comprovaram o fato de que Deus mandaria aquele que mostraria o caminho. Moisés foi testemunha de que Deus mandaria alguém maior do que ele próprio para ensinar o caminho (Deuteronômio 18:18). Isaías falou de uma grande luz para os gentios, a qual brilharia na escuridão (Isaías 9:2). Mateus declarou que essa promessa fora cumprida quando Jesus apareceu, no evento natalino que celebramos (Mateus 4:16).

Jesus declarou: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). Essa foi a resposta dele a Tomé, o qual havia dito que não conhecia o caminho que leva ao Pai. A resposta de Jesus parece forte demais para muitos hoje. As pessoas fogem de verdades absolutas. Jesus não estava se referindo simplesmente aos ensinamentos dele, ou a maneira de viver que ele ensinou, mas a si próprio como Aquele que nos permite viver da forma como Deus quer.

É ótimo ter um guia quando andamos por caminhos desconhecidos. Jesus não apenas sabe o caminho, Ele é o caminho, ele é a verdade e ele é a vida que torna possível a nós segui-lo, ao vivermos a vida dele na nossa. Quando você tem um guia, faz todo sentido confiar nele, nas decisões que ele toma e na experiência que ele tem. Jesus tem tudo isso e muito mais. Confie nele!

Por Dr. Michael Pocock, professor senior emérito de missões mundiais e de estudos transcrulturais

Tradução de Eduardo Tavares
Original em DTS 

Anúncios